29 fevereiro 2008

Decisões...

Compreendo que haja quem estranhe. Mas eu sou assim. Sempre tenho dito que José Sócrates tem capacidade de decisão. Só que discordo do sentido de muitas das suas decisões. Cada vaz mais castigam os mais fracos e cada vez mais vergam perante os mais fortes.

Santana Lopes

28 fevereiro 2008

Parabéns ao maior clube do mundo!

(104 anos)

Um ano depois...


Quando a vida te der um não, não fiques triste porque pode ser um... NÃO DESISTAS, NÃO PARES DE LUTAR, NÃO DESANIMES, NÃO DIGAS QUE ACABOU.

26 fevereiro 2008

João Vieira Pinto

João Pinto anunciou esta segunda-feira que deixa o futebol português.
Merecia sair de outra forma, mas infelizmente para ele está num clube onde, actualmente, se valoriza pouco as melhores pessoas.
Para o Sp. Braga a rescisão é seguramente uma má notícia. Para o campeonato também.
Nas equipas portuguesas, e na própria liga, tem de haver sempre espaço para futebolistas como João Pinto. Sobretudo quando está em causa alguém com a qualidade daquele que foi a principal referência nos nossos relvados durante muitos anos. Infelizmente de vez em quando prova-se que não há.
João Pinto passou oito épocas no Benfica e quatro no Sporting. No total, mais de 600 jogos, quase sempre a um nível elevado.
A passagem pelo Benfica, até por ter sido a mais longa, marcará para sempre a carreira de João Pinto. Acabou por sair na fase mais triste da história dos «encarnados», durante a presidência de Vale e Azevedo.
Nesse caso, como em muitos outros, o tempo acabou sempre por dar razão a João Pinto, o único grande talento da sua geração que escolheu ficar sempre em Portugal.
Na altura do adeus, resta dizer adeus a João Pinto. Mas é mais uma perda para o campeoato.

[Mais Futebol]

No entanto, parece que o seu futuro será fora do país.

Santo Tirso na revista "Portugal Local"


O que eu previa...

25 fevereiro 2008

A discriminação racial e étnica continua

Os portugueses interiorizaram uma norma anti-racista, sabem que ser preconceituoso não é bom. Mas, na forma como se comportam e naquilo que dizem, replicam o comportamento que condenam.

Manuel Carlos Silva explica que há poucos contactos entre as várias comunidades. "Os portugueses instalados não se dão com os negros nem com os ciganos, não frequentam os mesmos espaços, não vão a casa uns dos outros." E se, em relação aos imigrantes dos PALOP, "reconhecem vínculos identitários, no caso dos ciganos há uma enorme desconfiança". E refere que os números do inquérito ficam aquém da realidade, porque as pessoas não admitem que são racistas porque sabem que esse comportamento é condenável.

O investigador explica que estes estereótipos são muito difíceis de quebrar. "Um incidente isolado valida o estereótipo que 40 ou 50 casos contrários não conseguem reverter." E refere: "Numa sociedade que valoriza a escolaridade estes continuam a estar numa fronteira que é também económica."

[Diário de Notícias]

Como diz o pai de uma minha amiga: "Eu não sou racista, mas não quero que a minha filha case com um preto!"

A pobreza infantil

Portugal é um dos oito países da União Europeia (UE) onde se registam os níveis mais elevados de pobreza nas crianças, nomeadamente nas que vivem com adultos empregados, segundo um relatório da Comissão Europeia.

A pobreza tem afectado insistentemente o nosso país. Embora não se possa dizer que são as crianças enquanto grupo em si que são pobres, visto as mesmas serem indivíduos dependentes dos seus pais ou encarregados, a pobreza que afecta milhões de portuguesas encontra nas crianças as suas principais vítimas.
No nosso país há cada vez menos uma classe média. Vivemos num país de extremos que se chocam. Por uma lado, deparamo-nos com uma classe social economicamente abastada e, por outro lado, um número elevadíssimo de pessoas de classe baixa e empobrecida.
Esta discrepância económica e social tem de ser combatida, olhada com atenção e intervir perante a mesma. Senão corremos o risco de num futuro próximo estarmos perante uma catrástrofe com um número exurbitante de pobres, sua consequente discriminação nas mais diversas esferas e posterior exclusão. Urge uma intervenção rápida e eficaz.

Desportivo das Aves perde uma atleta de futsal

O acidente que, anteontem, vitimou Sara Martins, de 22 anos, uma jogadora de futsal do Clube Desportivo de Aves, deixou a colectividade em choque e Vila das Aves, em Santo Tirso, chora a morte de "alguém que era como uma filha da terra". A equipa encontra-se no segundo lugar da I Divisão da Associação de Futebol do Porto e havia jogado, à tarde, na Vila das Aves. "Elas decidiram, após o jogo, ir a Vila do Conde, assistir ao encontro entre o primeiro e o segundo classificado. E foram em quatro ou cinco carros. Ao chegar a Fornelo, em Vila do Conde, o carro da minha filha, Sofia Ferreira, despistou-se e bateu num poste. Ela não teve nada, mas está em estado de choque", revelou, ao JN,o pai da condutora, Abílio Ferreira.
Ler mais aqui.
Foi com enorme tristeza que me deparei ontem com a notícia da morte de uma jovem atleta de futsal do Desportivo das Aves, quando eu ligava o rádio para ouvir o relato do Varzim-Desportivo das Aves e revelavam que estavam a fazer um minuto de silêncio em memória de uma atleta do clube.
Tentei saber mais informações por uma amiga minha também jogadora de futsal da Associação de Futebol do Porto e ela me contou o que se havia passado. São situações muito tristes que acontecem e gostariamos que nunca sucedessem. Mas certamente a atleta será sempre lembrada e esperemos que as restantes recuperem rapidamente do choque.

22 fevereiro 2008

A homossexualidade feminina

...a expressão da homossexualidade feminina em Portugal ainda está fortemente sob controlo da socialização heterosexista de género, apesar da luta de muitas lésbicas e casais de lésbicas contra o heterosexismo e os estereótipos sociais. O facto de muitíssimas mulheres homossexuais conjugarem a vida de casadas e de mães com relações extraconjugais lésbicas, algumas com o conhecimento dos maridos, geralmente de estatuto social e profissional elevado (deputados, profissões liberais e empresários), mostra a força da socialização de género e o modo como impede o desenvolvimento de uma identidade homossexual estável e saudável.

Um texto interessante do Francisco Sousa que vale a pena ler na íntegra aqui.

Cor-de-rosa:sorte ou azar?

O Benfica continua sem ganhar de equipamento rosa. Ontem empatou 2-2 com o Nuremberga em jogo a contar para a Taça UEFA. Aproximavam-se os 90 minutos de jogo e o Benfica perdia por 2-0. O rosa não dá mesmo sorte... Ou será que dá? É que em cima do final do jogo a equipa rosa acabou por empatar o jogo (Cardozo e Di Maria) e passar a eliminatória dada a vitória de 1-0 que tinha levado da Luz. Talvez desta vez podemos dizer que o equipamento rosa trouxe alegria aos adeptos benfiquistas.

Há-de vir o dia em que ganharemos de cor-de-rosa!

Ilda Figueiredo em Vila das Aves

A deputada do PCP no Parlamento Europeu, Ilda Figueiredo, vai estar no próximo Sábado dia 23 de Fevereiro pelas 15:30h em Vila das Aves.
A sessão pública que terá como temas o Tratado Europeu, o Referendo, a Flexigurança e os Direitos dos Trabalhadores terá lugar no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Vila das Aves.
Iniciativa da Comissão Política Concelhia do PCP de Santo Tirso.

19 fevereiro 2008

As cheias e o desordenamento do território

Porque razão certas zonas do país são mais propícias à situações de cheias mesmo tendo níveis idênticos de ocorrência de precipitação?

«É errado dizer que o que passou não foi um problema do território, mas de falta de limpeza» diz o vice-presidente da QUERCUS.

O ministro Francisco Nunes Correia responsabilizou hoje as autarquias pelas cheias e complicações no trânsito registadas na sequência das fortes chuvas, considerando que o ordenamento do território já não representa um sério problema em Portugal. [Diário Digital]

Afinal o problema deve-se às alterações climáticas que enuncia o ministro Francisco Nunes ou deve-se ao problema do ordenamento do território que evoca a QUERCUS?

3 anos de Governo de José Sócrates


Que balanço fazem de 3 anos de governação do PS de José Sócrates?

17 fevereiro 2008

Óbidos: Festival Internacional do Chocolate



































Desemprego: uma catástrofe em Santo Tirso

Ponto assente Santo Tirso está deprimido. O drama é transversal a todo o Vale do Ave, mas uma taxa de desemprego de cerca de 16% - o dobro da média nacional, que foi, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, de 8% em 2007 - põe o concelho no topo dos números mais negros: uma em cada seis pessoas não tem trabalho. A sangria gerada pela decadência de uma mono-indústria têxtil explicará parte de um flagelo com dupla face: se, por um lado, a região é fértil em mão-de-obra desqualificada, os jovens licenciados também não encontram emprego qualificado. Consequências da ausência de políticas locais que facilitem a fixação de empresas, acusam os partidos da Oposição. E não só. PSD e PCP são unânimes em considerar que faltam apoios governamentais às pequenas empresas que a autarquia, liderada pelo socialista Castro Fernandes, não tem sabido reivindicar junto do poder central.
"O combate ao desemprego faz-se muito nos municípios, quem oferecer melhores condições terá mais possibilidades de atrair investimento", considera o líder da concelhia "laranja", Alírio Canceles, que denuncia a "ausência de políticas fiscais" camarárias de incentivo. O autarca responde que a Taxa Municipal de Urbanização "pode ser reduzida até 50% para a criação de empreendimentos empresariais".
"Santo Tirso tem de saber aproveitar a sua localização estratégica para atrair investimentos e gerar intercâmbio económico entre o Vale do Ave e a Área Metropolitana do Porto", acrescenta o comunista Jaime Toga.
Dos mais de cinco mil tirsenses desempregados, quase três mil têm apenas o 4.º ano do Ensino Básico. Com a aposta feita em formação e salários baixos, uma indústria têxtil desfasada da competitividade de um mercado globalizado tem engordado as estatísticas.
A "Pinheiro da Rocha" é o exemplo mais fresco da devastação que começou nos anos 90 do século passado. A empresa familiar deixou 150 sem emprego em Janeiro. A JMA, que deslocalizou a produção para a Índia e o Paquistão, prossegue com redução de operários. Só em 2007 saíram cerca de 400.
Ainda assim, Castro Fernandes diz-se "optimista". Acredita que a situação é "ultrapassável" e garante que tem promessas de "novos investimentos" por parte do Governo.

[Jornal de Notícias]

Sócrates ditador?

António Oliveira Salazar era um aprendiz de ditador ao pé de José Sócrates. [via PortugalDiário]

Paulo Tito Morgado

PSD reclama intervenção na feira de Vila das Aves

É um clima de grande insatisfação o que se vive no mercado de Vila das Aves. Quem o diz é a Comissão Política Concelhia do PSD de Santo Tirso que esteve no último sábado, 9 de Fevereiro, no referido mercado. “No contacto com os comerciantes, quer os que ocupam as lojas com carácter permanente, quer os que semanalmente utilizam aquele espaço, ficou claro, o enorme clima de insatisfação e descontentamento pelas péssimas condições e pelo avançado estado de degradação deste equipamento”.
Nota o PSD que “nalgumas das lojas ocupadas com carácter permanente e que são fundamentais para manter vivo aquele espaço, os índices de humidade e infiltrações são insustentáveis”. Mas em termos globais a situação não é melhor: “as condições físicas deste espaço, além de pouco apelativas, denotam níveis de degradação e desconforto que contribuem para o seu esvaziamento e constituem factores de repulsão, quer para os potenciais clientes, quer para os comerciantes”.
Em comunicado de imprensa, o PSD de Santo Tirso diz que o piso do recinto de feira se encontra em "péssimo estado de conservação, assim como os passeios que dão acesso ao mesmo e todos os arruamentos adjacentes".
Alega o partido que o "mercado de Vila das Aves, é um polo importante, quer para aqueles que ali exercem a sua actividade e daí retiram o sustento para as suas famílias, quer para os milhares de clientes que o frequentam, sendo que muitos são das freguesias de São Tomé de Negrelos, Rebordões, da zona do Vale e mesmo de outros concelhos". Teme, por isso o PSD que a viabilidade do mercado esteja comprometida caso não seja feita a curto prazo uma intervenção que permita a sua requalificação.
Os mesmos responsáveis políticos dizem-se conscientes de que a gestão do mercado/feira é da responsabilidade da Junta de Freguesia, sublinhando, porém, que "a diferença entre as despesas e as receitas não permite à Junta assumir responsabilidades na sua requalificação nem tão pouco na sua manutenção".
"São muitas as potencialidades deste espaço, e por isso apela à Câmara Municipal de Santo Tirso para que com carácter urgente desencadeia as necessárias diligências a fim de evitar a “morte” do Mercado/feira da Vila das Aves, conclui o PSD.

[EntreMargens]

12 fevereiro 2008

Ponte da estação em Santo Tirso em estado de insegurança



Para os peões, os 212 metros da ponte sobre o rio Ave que liga a estação da caminhos de ferro de Santo Tirso ao centro da cidade desaguam assim, nos terrenos de uma quinta. Em 1998, ano da construção da nova estação e respectiva travessia, ficou esquecida a contiguidade à Rua Dr. Oliveira Salazar, que conduz à urbe, sendo os transeuntes obrigados a descer o passeio para prosseguir a marcha. Caso contrário, arriscam-se a cair - literalmente, porque a cota da rua é superior - em terrenos alheios, cujo acesso é vedado apenas por uma rede. Continuando, verifica-se que outra parte do muro que divide rua e quinta ruiu, permanecendo parcialmente desprotegida. Ao JN, a Autarquia tirsense garantiu que vai iniciar a reconstrução da parede no prazo de quinze dias, por forma a minimizar os perigos para quem lá passa.
Não há passeio e parte do muro de protecção ruiu.

Notícia e foto do Jornal de Notícias

Só agora é que a Autarquia tirsense se deparou com a insegurança naquela ponte?

Salas de cinema perdem espectadores

Salas de cinema perderam 134 espectadores por dia em 2007

A que se deve este facto? Ao constante aumento do preço dos bilhetes? Ou ao facto de os filmes sairem rapidamente para os clubes de vídeo e a um preço mais baixo? Ou será ainda devido a uma facilidade de conseguir os filmes recorrendo à pirataria?
Ou, por seu turno, deve-se à soma de todos estes factores?

Por um CCVA melhor...

11 fevereiro 2008

A gestão das Escolas

Nas escolas, como em qualquer instituição, a autoridade difusa, camuflada de colegial, tem dado maus resultados. O afastamento das comunidades e das autarquias, relativamente às suas escolas, tem tido, há décadas, consequências nefastas, nomeadamente a do desinteresse dos pais pelo destino das escolas dos seus filhos. Existe já alguma evidência de que os pais se interessam mais pelas escolas privadas do que pelas públicas, onde são, em geral, mal recebidos. Finalmente, as escolas sem autonomia ou com autonomia aparente, como é hoje o caso, transformam-se em repartições dominadas pela burocracia do ministério obcecada com a regulamentação e a uniformização.

HÁ VINTE ANOS, ou mais, que se dão pequenos passos na direcção da autonomia e da “devolução às comunidades” das escolas. Há décadas que se tenta envolver os pais na gestão das escolas, com ineficientes dispositivos que quase nunca resultaram. Há muito tempo também que os ministros, muitos deles pelo menos, se queixam de centralismo excessivo e confessam, geralmente em privado, que gostariam de entregar as escolas básicas e secundárias às autarquias, mas “não podem”. As desculpas para estas fraquezas são numerosas, expressas muitas vezes pelos próprios. As autarquias não querem mais responsabilidades. Os pais não se interessam. Os professores são contra. A tradição portuguesa não é essa.

A ENTREGA DAS ESCOLAS às autarquias, com responsabilidade e competências, teria ainda a formidável consequência de retirar a maior parte do trabalho ao ministério, reservando-lhe as suas funções nobres, que cada vez exerce menos: inspeccionar, avaliar, prever, assegurar os direitos fundamentais e cuidar da coerência nacional. Já se pensou no que poderia ser um ministério da educação sem nomeação de professores, sem definição de horários, sem autoridade sobre os técnicos de apoio, sem concursos de aquisição de bens, sem capacidade para aprovar, dia sim dia sim, regulamentos pedagógicos e normas de execução? Já se imaginou na utilidade de um Ministério que se dedicasse a pensar, a apoiar e a inspeccionar, em vez de administrar, recrutar, fazer obras e ditar regras de comportamento? Após tantas décadas de miséria educativa e de caos escolar, com os péssimos resultados que se conhecem, merecíamos melhor. Nós todos e também os professores, os alunos e os pais.

António Barreto

Portugal e Espanha e o Mundial 2018

Uma possível candidatura conjunta de Portugal e Espanha para a organização do Mundial 2018 será um processo de difícil concretização.

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, Laurentino Dias, considerou que avaliar, neste momento, uma eventual candidatura conjunta de Portugal e Espanha à organização do Mundial2018 em futebol é "vaguear sobre ideias".Laurentino Dias defendeu em declarações à Lusa que a eventual parceria entre as federações de futebol dos dois países tem de ser primeiro "pensada, projectada, estudada e calculada", para só depois dar oportunidade aos dois governos para "apreciar o projecto". "Não é frutuoso vaguear sobre ideias. Primeiro devemos trabalhá-las e só depois expô-las publicamente. Um projecto desta natureza, se é que é viável, tem de ser concertado entre as duas partes. Só depois de um estudo aturado é que os dois governos terão oportunidade de apreciar devidamente o dossier", explicou o secretário de Estado.


A organização do Mundial 2018 será uma realidade ibérica?

Grandes figuras de Timor-Leste alvos de ataques


Conselho de Segurança da ONU discute esta noite situação em Timor-Leste.

10 fevereiro 2008

Polémica na Liga Intercalar

Insólito e bizarro. É o mínimo que se pode dizer do que aconteceu ontem no Braga-Aves, relativo à segunda jornada do Torneio Primavera da Liga Intercalar.
Com o objectivo de utilizar todos os jogadores de campo, Henrique Nunes, treinador do Aves, procurou ludibriar os regulamentos da competição, que não permitem fazer mais do que cinco substituições (desde que sejam feitas duas, no mínimo, ao intervalo). Como? Simples. Depois do intervalo, em vez de Leandro apareceu Zambujo a jogar com o número 14. A equipa de arbitragem não reparou - alertado pela organização, o quarto árbitro, Manuel Moreira, apontou a ocorrência no decurso da segunda parte -, a sexta substituição foi feita aos 59' (Rui Miguel por Robert) e, no final, o Braga protestou o jogo, ficando o caso registado no relatório do árbitro Sérgio Pereira. O processo passa agora para a alçada do Conselho de Disciplina da AF Porto.
Confusões à parte, o Aves deu, na segunda parte, uma lição a um Braga que, com mais jogadores que habitualmente não são titulares, não foi capaz de segurar uma confortável vantagem. Muito por mérito da equipa da Liga Vitalis. [
O Jogo]

O acto da equipa avense foi incorrecto. No entanto, esta competição visa uma maior rodagem de jogadores. O Braga não foi capaz de segurar a vantagem perdendo o jogo. O Aves foi claramente superior e, certamente, se o jogo tivesse ditado a vitória da equipa bracarense eles não protestariam o jogo.

O Véu Islâmico




Esta situação não se apresenta só na Turquia como também têm surgido questões semelhantes na Europa. Não esqueçamos a polémica suscitada em França aquando da interdição do uso do véu islâmico.
Para a Turquia, tal decisão reveste-se de uma marcada mudança no plano social e político.


Sou da opinião de que o uso do véu islâmico seja permitido na Europa. São uma marca identitária, cultural, um costume, uma tradição do povo islâmico. O facto de se mudarem para outro país não poderá ser impeditivo de manterem alguns dos seus costumes. É certo que ao inserirem-se num país de diferentes tradições e costumes poderá levar como consequência a um choque de valores e culturas. No entanto, poderá apresentar-se como um enriquecimento cultural ao pôr em contacto diferentes povos. É preciso saber lidar com a diferença para que não ocorram situações conflituosas e que não haja um grande choque de civilizações.
Cabe a cada país, ao seu Governo e à sua sociedade estabelecer relações harmoniosas com indivíduos de outras culturas e tradições, e implementar medidas que visem essa situação de harmonia e o respeito pelos costumes do outro.

A teoria do Ricardo!

As notícias que relatavam, em pormenor, aquilo que se passa no balneário do Sporting levaram Paulo Bento a concluir que há bufos no clube. Quem tem no plantel um jogador como Miguel Veloso não pode deixar de pôr a hipótese de tudo não ter passado de uma conversa de cabeleireiro. As madeixas levam tempo a fazer, e uma pessoa tem tendência a desabafar, quando está com os papelotes de alumínio na cabeça.

Ricardo Araújo Pereira, em A Bola

06 fevereiro 2008

Há música em Santo Tirso

- Concerto de Música Contemporânea "Guitarras Variáveis" no Auditório do Museu Municipal Abade Pedrosa, amanhã dia 07 de Fevereiro, pelas 21.30 horas.

- Quarteto Sofia Ribeiro & Gui Duvignau, música jazz, dia 8 de Fevereiro, no Centro Cultural de Vila das Aves, pelas 21:30 horas.

- Curso «a história do jazz», dias 16 e 23 de Fevereiro, 14h30h - 18h30h.
Centro Cultural de Vila das Aves
.

- Concerto de Música Clássica Ángel González & José Parra (Espanha), no Auditório do Museu Municipal Abade Pedrosa, dia 23 de Fevereiro, pelas 21.30 horas.

Movimentos sociais, Violência e Media

Os movimentos sociais têm dificuldade em conseguir mediatização e são "obrigados" a adoptar estratégias como a violência para se tornarem notícia, disse hoje à Lusa Isabel Cabo, autora do estudo "Novos movimentos sociais e os media".
A partir deste estudo, que faz parte da sua tese de mestrado e será publicado na próxima semana, Isabel Cabo afirma existir uma "relação assimétrica [entre movimentos sociais e media] em que os movimentos estão dependentes dos media para conseguir espaço na agenda mediática".
"Para se imporem, muitas vezes estes movimentos sociais vêem-se 'obrigados' a recorrer a determinadas estratégias, como o recurso à violência ou a distúrbios, para atingir um grau de noticiabilidade" que de outra maneira não conseguiriam, diz a autora.

Texto integral aqui.

Batem-me e ainda pago



O decreto-lei tem quase um ano e ainda não está regulamentado. por isso, são muito diferentes as formas como as administrações dos hospitais estão a interpretar a lei que isenta de pagamento de consultas as vítimas de violência doméstica.
A notícia é avançada pelo jornal Público, que aponta o caso do hospital de S. João, no Porto, onde a vítima entra e basta a sua palavra para não pagar, e ainda o caso do Hospital de São Marcos, em Braga, onde a vítima não só recebe a factura da taxa moderadora como uma nota de débito da consulta, num total de 152 euros.

Escreve o Público que o Hospital de São Marcos só assume que a vítima é efectivamente vítima se apresentar queixa contra o agressor e houver sentença judicial. No São João, tenta-se não agredir ainda mais a vítima.
Já no Hospital de Santo António, também no Porto, perante suspeita de violência doméstica, «faz-se participação à PSP que está à porta» e o agente passa-lhe um documento, que isenta a vítima de pagar taxa moderadora.
A presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, Elza Pais, defendeu, em declarações ao Público, que para estar isento basta apresentar queixa e que a nota de débito deve ser enviada ao agressor. A queixa constitui «uma prova fortíssima» de violência doméstica, esperar pela sentença judicial «não tem sentido», diz.

PSD e o Jornal de Santo Tirso

A Entidade Reguladora da Comunicação deu razão ao PSD de Santo Tirso, no que toca a "recusa" de publicar diversos artigos assinados pela CPC do PSD de Santo Tirso.A democracia e o pluralismo ganharam mais uma vez, fiquei feliz ao ver as noticias publicadas e ver que o Jornal de Santo Tirso apesar de que a "força" possa ser um espaço de diálogo plural de TODOS e não uma espécie de "Acção Socialista" versão Tirsense.
A Comunicação Social deve ter uma importante acção fiscalizadora tanto do "poder" como da "oposição".É sem dúvida vergonhoso que cronistas de elevada qualidade como Pedro Fonseca fossem "afastados", comunicados da oposição "censurados" devido à "ameaça" do não pagamento de serviços que punham em risco a existência do Jornal de Santo Thyrso e seus respectivos postos de trabalho.
Uma nota também lamentável para a Administração Central que muito têm feito para aumentar a dependência económica da imprensa regional do poder local instalado, medidas como o fim do porte pago e faltas de apoio, levam ao renascimento de uma cultura de imprensa local pré 25 de Abril.

Ler mais no Fórum do PSD de Santo Tirso

02 fevereiro 2008

A efemeridade das bandas


Da série juvenil "Morangos com Açúcar" têm proliferado algumas bandas musicais de qualidade pouco significativa. O seu sucesso estrondoso deve-se, não obstante, ao sucesso da série juvenil supracitada fazendo destas bandas muito requisitadas sobretudo pelo público feminino mais jovem. Não fosse a sua exposição na série televisiva, e estas bandas lançadas pelos "Morangos com Açúcar" provavelmente não obteriam metade do seu êxito nem alcançariam tanta exposição social nem mediatismo.
Contudo, o seu sucesso tem sido escasso notando-se, por tal, a ausência de profissionalismo e qualidade musical. Um início exuberante com o primeiro lugar no top de vendas por tempo extensivo e depois a quase ausência de protagonismo público. Vejamos por exemplo, a banda com maior sucesso desta série: os D'ZRT. Milhões de discos vendidos, inúmeros concertos, sucesso imediato e estrondoso e agora com que nos deparamos? Amanhã realizam o último concerto e posterior fim da banda. Assisti a um concerto deles, aquando das últimas eleições autárquicas, e deparei-me com apenas um elemento da banda a saber cantar. Outros dois sendo anteriormente bailarinos sabiam dançar e mover-se muito bem, já cantar... O outro elemento apercebi-me que tinha como função despir-se, mostrar o corpo e fazer o delírio das jovens adolescentes.

Os 4 Taste, a outra banda lançada posteriormente, também teve um sucesso assinalável, no entanto, após a saída dos elementos da série, a banda também está apagada. O cantor FF a mesma coisa.
Agora temos as Just Girls.. Irão pelo mesmo caminho? Estou em crer que sim. Nestas bandas vale mais a imagem do que a vocação para cantar, por isso será "sol de pouca dura"!

01 fevereiro 2008

É bom viver em Portugal?

Portugal é cada vez mais um país de imigração recebendo cidadãos das mais diversas nacionalidades.

A naturalização cresce sobretudo porque a nova lei da nacionalidade facilitou a regularização de algumas situações mais complicadas. Com a nova lei, as naturalizações duplicaram.

A convivência de diferentes nacionalidades e diferentes etnias é já uma realidade assente no nosso país. Será bom? Mau? Está Portugal e estão os portugueses a lidar bem com esta nova realidade?

Arquivo do blogue