31 dezembro 2007

Balanço 2007...

Este blogue nasceu a 1 de Maio deste ano e posso afirmar que em oito meses conseguiu um sucesso que eu considero inesperado. Não é o melhor blogue de Portugal, não é o melhor blogue da região mas é um blogue que teve um impacto positivo e prestigiante na blogosfera.
Ultimamente tem sido bastante comentado e acredito que seja um blogue lido por muita gente. O sucesso deriva do que aqui vou escrevendo e trancrevendo, é certo. Mas a grande qualidade deste blogue deriva, sobretudo, de todas as pessoas que por aqui vão comentando. São os leitores e comentadores que dão a grandeza e riqueza deste blogue: aqui discutem-se ideias, pontos de vistas, aqui atacam-se ideias não se atacam os comentadores, a autora do blogue ou figuras públicas. Este blogue é pautado pela boa educação e civismo entre os comentadores sem que ninguém parta para o insulto e para o ataque. Aqui todos os comentadores são tratados por igual. Aqui não há lugar ao narcisismo, todos estamos unidos a lutar por melhor e todos temos um importante papel, seja a nível político, cultural, social,etc.


Um muito obrigada a todos os leitores e comentadores deste espaço, são o mais importante que este blogue tem! E desejo ter-vos cá em 2008 e que muitos mais se juntem!

Um Óptimo 2008!

30 dezembro 2007

Venha a Regionalização!

O Estado deve mais de 150 milhões de euros a 101 câmaras, dívida derivada essencialmente de pagamentos em atraso da Administração Interna, Cultura e Obras Públicas.
A maior fatia, 133,6 milhões de euros, reporta-se a obras ou programas de responsabilidade do Governo, executados por autarquias. Os restantes 16,5 milhões são de compromissos assumidos durante anos por vários governos, protocolados mas não executados, porque ministérios, secretarias de Estado, direcções-gerais ou institutos não pagaram aquilo a que se comprometeram. Este valor foi considerado dívida pois, em muitos casos, as autarquias fizeram despesa.

Fonte: Diário de Notícias

29 dezembro 2007

Pavilhão Desportivo da Escola Secundária

Hoje estive pela primeira vez no pavilhão desportivo da Escola Secundária D. Afonso Henriques, Vila das Aves.
No meu tempo de liceu, do 10º ao 12º ano, a Escola não possuía pavilhão, limitando as nossas aulas de Educação Física ao campo exterior de jogos e uma pequena sala de ginástica. Mesmo com muitas reivindicações, greves e protestos a escola foi permanecendo alguns anos sem pavilhão desportivo.

Hoje o pavilhão é uma realidade. É relativamente recente, mas hoje alunos da escola usufruem devidamente deste espaço para aulas de Educação Física. Mais, o pavilhão serve de suporte a muitas equipas de terras próximas para a realização de jogos em modalidades como o futsal. Hoje assisti a um jogo de futsal e deliciei-me com a construção do pavilhão: espaçoso, belo, magnífico!
A Escola Secundária D. Afonso Henriques merece esta excelente infra-estrutura! Vila das Aves merece mais um óptimo espaço de prática desportiva!

Interdição ao Fumo em Locais Abertos

O FC Porto está a estudar a possibilidade de proibir de fumar no Estádio do Dragão. Levará esta ideia avante? Mais clubes seguirão o exemplo?
Não posso deixar de louvar esta iniciativa do FC Porto. Eu concordo no pleno. Sei que os fumadores têm o direito de poder usufruir do seu vício, mas os não fumadores também têm o direito de poder respirar ar puro.


Para além da proibição de fumar em locais fechados também sou a favor da proibição em locais abertos como sejam os estádios de futebol. Vou assiduamente ao estádio ver o meu Desportivo das Aves e, não raro, levar com fumo do indivíduo que está em cima, em baixo, dos lados, intoxicando-me e dificultando-me a respiração. Como a mim, a muitas mais pessoas.

Espero que esta ideia tenha um fim concretizável.

27 dezembro 2007

A Participação nas Assembleias de Freguesia (II)

No passado dia 15 realizou-se mais uma Assembleia de Freguesia. Como é normal desde que presido à Junta de Freguesia, e já lá vão quase seis anos, que estas Assembleias mantêm uma participação activa de Avenses, quase sempre na casa das dezenas.
Penso tratar-se de caso raro nos tempos que correm e principalmente no nosso concelho. Até prova em contrário, digo mesmo que é das Assembleias de Freguesia mais concorridas desta região.
Ao contrário do que alguns (poucos) querem fazer crer, tem sido nestas Assembleias que os problemas da nossa Vila têm sido debatidos, muitas vezes de forma algo calorosa, é certo, mas também com resultados práticos evidentes e de interesse público geral.
(...)

Carlos Valente, Presidente da Junta de Freguesia de Vila das Aves, no Boletim Informativo

Salazar e Portugal...

“Salazar pôs isto na ordem e agora já não sabemos fazer a democracia outra vez. Estamos estrangulados. Mais: se não é a UE, há muitos anos que não vivíamos em democracia. (...) O país prosperou sempre mais com regimes de autoridade.”

Pedro Arroja, Visão (Tirado de O Público)

26 dezembro 2007

Hospital com Urgência em 2008?

O novo Serviço de Urgência do Hospital de Vila Nova de Famalicão deverá estar a funcionar no final do último trimestre do próximo ano. "Vamos lançar este mês o concurso para a construção da nova urgência médico-cirúrgica e é nossa intenção que, até final de 2008, o serviço fique pronto para poder estar a funcionar no final do último trimestre", adiantou ao JN o administrador do Centro Hospitalar do Vale do Ave, José Dias.

O espaço para a nova urgência do Hospital de Famalicão já existe, mas, segundo aquele responsável, são necessárias as respectivas obras e equipamentos. "O programa funcional que já existia sofreu algumas alterações porque se trata agora de uma urgência médico-cirúrgica que vai servir 250 mil habitantes e, o que estava programado não era isso" explicou José Dias.

O novo serviço vai contemplar uma urgência pediátrica, uma pequena unidade de radiologia e TAC, instalações para observações e uma unidade de cuidados intermédios.

Já quanto ao financiamento, o administrador aponta que a gestão do centro hospitalar determinou o capital social necessário para as intervenções e, neste momento, existe capacidade económica para construir a nova estrutura. Por outro lado, José Dias anotou que se vai tentar aproveitar, também, verbas do IV Quadro Comunitário de Apoio.

Aquele responsável referiu, ainda, que foram feitas algumas obras recentemente para melhorar a aparência e as condições do actual Serviço de Urgência.

Há já alguns anos que o novo Serviço do Hospital de Vila Nova de Famalicão tem sido sucessivamente adiado. As condições precárias em que funciona faz com que não exista urgência pediátrica separada da dos adultos.

No início deste ano, os hospitais de Vila Nova de Famalicão e de Santo Tirso uniram-se, formando o Centro Hospitalar do Vale do Ave. Para Famalicão ficou planeada uma urgência médico-cirúrgica enquanto que em Santo Tirso há uma urgência básica.
Jornal de Notícias

O que eu temia...

Uso de pequenas quantidades de drogas está "liberalizado" em seis distritos.

Daqui a pouco é pelo país todo...

A situação laboral em Portugal

A perspectiva de uma nova legislação laboral veio recordar- -nos que Portugal é um país de traumas, um país de discussões atrasadas, um país reaccionário, avesso às mudanças. Não é de esquerda, nem de direita, é a favor de quem for capaz de deixar as coisas estar como estão, enquanto isso for possível.

É espantoso que os patrões estejam sempre a pedir mais flexibilidade nas relações contratuais com os trabalhadores, mas depois não aproveitem as alterações na lei para organizar melhor as suas empresas. Não mudam horários, não planeiam as férias, não trabalham mais quando é preciso e menos quando há pouco para fazer. Tudo isto já é permitido por lei, mas os patrões preferem a socapa com que transformam trabalhadores efectivos em falsos recebidos verdes, aceitando empregados que pouco fazem mas têm vínculo às empresas. Para muitos patrões, um trabalhador legalizado, mesmo que competente, é um fardo e não a sua maior riqueza.

O contrário também é verdade. Na maioria dos casos, os empregados olham para o patrão como o inimigo e raramente como o empreendedor que lhes possibilita terem o trabalho com que ganham a vida. A saúde da empresa pouco lhes importa, o desperdício não os incomoda, são problemas do patrão.

Se houvesse capacidade de adaptação, haveria de certeza menos desemprego; mas isso é uma coisa que só parece preocupar quem não tem trabalho.

Não vale a pena alterar a lei se a mentalidade não mudar. É preciso acabar com a luta de classes, é preciso que patrões e empregados percebam que o êxito da empresa interessa a todos.

Paulo Baldaia, Chefe de Redacção do JN

Óptimo texto este! E percebemos que o mal da situação laboral em Portugal não se centra somente de um lado, mas concentra-se em três vértices: Estado; entidades empregadoras; trabalhadores.

Da sustentabilidade da Segurança Social...

...o melindre da questão da sustentabilidade do sistema de segurança social passa por uma opção de coesão geracional e de partilha de risco, que - no quadro da actual cultura de individualismo - é complicado implementar. Além disso, começa também a ser difícil entender a opção de não-abertura das possibilidades de escolha dos cidadãos contribuintes na sua adesão a sistemas de gestão particular de uma parte da sua reforma. Note-se que - por uma questão relevante de linguagem - me refiro a sistemas "particulares" e não a sistemas "privados". É que, neste domínio, existe um conjunto de opções para uma gestão eficaz da parte do salário que os trabalhadores afectam para a sua reforma: fundos geridos por sindicatos, ordens profissionais, cooperativas de profissionais, ou instituições financeiras credíveis e bem administradas são, portanto, opções em aberto.

Paulo Pereira de Almeida

Dado o medo de assistirmos a uma insustentabilidade da Segurança Social a médio prazo, dado que hoje não estamos a criar a nossa sustentabilidade futura mas sim a sustentabilidade da geração actual, cada vez mais as pessoas apostam em instituições privadas (ou particulares como prefere chamar Paulo Pereira de Almeida) para garantirem a sua pensão futura, como sejam os PPR (Plano de Poupança Reforma).
Público. Privado. Qual o mais seguro e que dá mais garantias?

23 dezembro 2007

Já há dedo de Henrique Nunes?

O Desportivo das Aves venceu hoje no seu reduto o Freamunde por 3-0. Embora ainda seja muito cedo para afirmarmos ser uma equipa preparada por Henrique Nunes, a verdade é que o Aves esteve bem, praticou bom futebol: assistimos a uma equipa mais ofensiva, pelo menos.
A primeira parte foi excelente e saímos a vencer por 1-0. Na segunda parte o Aves desleixou-se e foi sofrendo ataques sucessivos do Freamunde, que apesar disso não foi uma grande equipa. Mais para o fim do encontro voltamos a criar vários lances ofensivos e terminamos a partida com uma vitória de 3-0!

O Aves está melhor e 2008 promete! Força Aves!

Incentivo à Reinserção Familiar de Idosos

As respostas sociais para a terceira idade estão a passar cada vez menos por lares e mais pelo apoio domiciliário e pela integração em famílias de acolhimento. Neste momento existem em Portugal continental cerca de 900 idosos inseridos em quase 600 famílias de acolhimento, de acordo com dados fornecidos ao DN pelo Instituto da Segurança Social. Quase todos se encontram na zona norte.

Pela "prestação de serviços" ao Estado, as famílias que acolhem idosos recebem 412 euros mensais da Segurança Social, subsídio esse que pode chegar aos 614 euros quando está em causa o acolhimento de pessoas em situação de grande dependência.

Embora reconhecendo a falta de equipamentos sociais para a terceira idade, numa população em acelerado envelhecimento, o presidente do Instituto de Segurança Social, Edmundo Martinho, considera que "nem todas as soluções para os idosos se encontram nos lares" e que "o verdadeiro problema não é a velhice, mas sim a dependência".

A solução das famílias de acolhimento é determinada pela "inexistência ou insuficiência de respostas sociais eficazes que assegurem o apoio adequado à manutenção no seu domicílio da pessoa idosa ou pessoa adulta com deficiência" e a "ausência da respectiva família ou quando esta não reúna condições mínimas para assegurar o seu acompanhamento".

Fonte: Diário de Notícias

Já se previa...

22 dezembro 2007

"Portugal, Um Retrato Social" (II)

Chegou esta semana ao fim a colecção de Livros e DVD's da série Portugal, Um Retrato Social de autoria do sociólogo António Barreto e realização de Joana Pontes.
Esta fantástica série que faz um retrato da evolução da sociedade portuguesa esteve disponível por 9.95€ às 2ª feiras com o jornal O Público.

Este é um retrato do nosso país. Um retrato da sociedade contemporânea. É um retrato de grupo: dos portugueses e estrangeiros que vivem connosco. É um retrato de Portugal e dos Portugueses de hoje, que melhor se compreendem se olharmos para o passado, para os últimos trinta ou quarenta anos.

Os Livros e DVD's da colecção estão também disponíveis nas lojas FNAC. Porque não oferecer esta mais-valia aos seus amigos e familiares de prenda de Natal? Eu já ofereci a mim própria!!!

Gosto deste Miúdo!


Ministro da Saúde em Santo Tirso

Foi com um "queremos médico" reivindicado em uníssono sonoro que o povo de S. Tomé de Negrelos, em Santo Tirso, recebeu, ontem de manhã, o ministro da Saúde, em périplo pelo concelho que incluiu a inauguração da unidade de saúde familiar da Ponte Velha e uma visita ao Hospital Conde de S. Bento.

Correia de Campos responderia ao apelo na nova USF do Centro de Saúde de Santo Tirso, anunciando um aumento de 5% nas vagas para médico de família. "Estamos sem médico há um ano", queixava-se Felismina Moreira, utente do centro de saúde de S. Tomé, que não perdeu a oportunidade de desabafar de viva voz ao ministro. O marido, que foi operado ao coração, tem de fazer exames duas vezes a cada 12 meses. "Já não faz há um ano porque não temos médico", justifica. "A minha mãe tem 80 anos e uma reforma de 50 contos e tem de ir de táxi às Aves porque a médica de família está lá".

Apesar de a manifestação ter surpreendido Correia de Campos, os protestos e reivindicações não são novidade e poderiam ouvir-se em qualquer outro ponto do país, da boca dos cerca de 665 mil portugueses que, segundo contas do ministro, ainda não têm médico de família.

Maria Adelaide, utente também contestatária, adiantava, ao JN "Há seis mil pessoas aqui com falta de médico de família". Aos jornalistas, o director do centro de saúde apresentaria, porém, cálculos mais preocupantes. Entre 36 mil utentes, 9500 estão nessas condições, o que representa 26% da população, estima Luciano Santos.

Para fazer face a estes números, contam-se 16 profissionais em regime de não exclusividade, uma situação que "justifica um reforço dos recursos humanos", apelou o responsável.

Depois de garantir aos negrelenses que o centro de saúde não será encerrado, Correia de Campos sublinhou que a "falta de médicos de família é uma prioridade" do Governo e congratulou-se pelos resultados já atingidos "Quando chegamos ao Governo, havia 790 mil portugueses sem médico de família, número que já foi reduzido em 125 mil", notou. "Não descanso enquanto não houver um centro de saúde com doentes à espera de consulta antes das oito da manhã".

Fonte: JN

21 dezembro 2007

O Crime da Moda...

...Carjacking

Sucedem-se os casos de carjacking, a cada dia é noticiado um caso destes, tornando-se este tipo de crime deveras preocupante. Este novo tipo de crime necessita de estudos rigorosos para que o possamos prevenir, e na sua ocorrência actuar eficazmente na captura dos criminosos.

Perigo nos carros (carjacking)
O criminoso:
bandos armados e bem organizados
O alvo: condutores de carros de gama alta
Os ditos criminosos andam de pistola, apontam a arma ao condutor e tiram-no do carro em menos de um segundo. Arrancam e desparecem. Este tipo de assaltos tem aumentado bruscamente porque actualmente os carros têm alarmes e meios de protecção cada vez mais sofisticados o que torna praticamente impossível roubar quando se encontram estacionados. Daí a única maneira de os levar é atacar quando os detentores do veículo se encontram lá dentro ameaçando-os com armas e obrigando-os a saír.
Os carros roubados destinam-se, maioritariamente, às elites de outros países ou então são desmantelados e vendidos por peças.
Normalmente este tipo de crime ocorre nas auto-estradas ou vias rapidas, mas também já chegou às cidades onde as abordagens são cada vez mais violentas.

Ver outros novos crimes aqui.

20 dezembro 2007

Simplesmente vergonhoso...

...Alunos discriminados por classe social

O insucesso escolar é potenciado, em muitas escolas, pela escolha dos alunos com base no seu aproveitamento escolar e na sua origem social. Dois investigadores portugueses, especializados em Sociologia da Educação, constataram a selecção - ao arrepio da legislação existente e da própria Constituição - de alunos com base na análise do percurso escolar.

Os estudiosos apontam a existência de estabelecimentos de ensino muito próximos um do outro, mas com populações estudantis muito distintas, fruto de uma selecção que tanto dá origem a "nichos de excelência" como a "guetos de exclusão". Segundo afirmam, o comportamento "pouco democrático" de estabelecimentos de ensino público - que origina grandes assimetrias na rede de ensino - engloba, também, a constituição de turmas com base na diferenciação social e aproveitamento escolar.

Dois investigadores do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE) estudaram as desigualdades na educação e o seu reflexo no insucesso escolar. E chegaram à conclusão - fruto da investigação feita em escolas básicas e secundárias - que a escolha dos estabelecimentos de ensino é, cada vez mais, objecto de lutas e pressões sociais.

Pedro Abrantes visitou cinco estabelecimentos de ensino (três escolas públicas dos 2.º e 3.º ciclos e dois colégios privados) situados próximos uns dos outros, em Lisboa. E constatou as injustiças existentes no processo de selecção dos alunos na ocasião das matrículas. "Escolas situadas no mesmo bairro têm públicos claramente contrastantes. Numa, cerca de 50% dos alunos apresentam elevadas taxas de insucesso, e na outra, quase ao lado, esse número fica-se pelos 2%", realçou.

No estudo elaborado, Pedro Abrantes verificou que numa das escolas (frequentada basicamente por alunos de classes sociais desfavorecidas), 50% dos alunos tinham sido recusados noutro estabelecimento, normalmente aquele preferido pelas classes sociais média ou alta.

O investigador - que participa na avaliação externa de escolas - afirma que as estratégias de segmentação dos alunos são nítidas. "É a crise de um sistema supostamente igual para todos, mas que cria nichos de excelência e guetos de exclusão, o que é "um risco para a escola inclusiva e integradora", sustentou.

Pedro Abrantes vai mais longe, ao realçar a própria constituição da turmas. "Em muitas escolas, numa lógica perversa, constituem-se turmas com filhos de professores, médicos e juristas e outras onde predominam alunos problemáticos. Mais grave ainda é ficarem os professores mais velhos com as turmas de excelência, cabendo aos mais novos as restantes", concluiu.

Jornal de Notícias

19 dezembro 2007

Reeducação e Reinserção Social precisam-se!

Hoje li um artigo muito interessante no Jornal de Notícias acerca de um estudo realizado por Tiago Neves, investigador da Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade do Porto, que passou um ano em trabalho de campo num centro educativo e constatou que a indefinição da lei tutelar educativa, a severa disciplina sobre os técnicos que ali trabalham, bem como alguma deficiência na organização do trabalho resultam num falhanço da reeducação e reinserção social dos jovens delinquentes ali acolhidos.

Deixo aqui mais uma parte do artigo que me parece deveras importante:

Segundo a sua análise, a disciplina severa que é aplicada aos técnicos sempre que há distúrbios, fugas ou agressões a professores por parte dos jovens, leva a que estes adoptem uma estratégia sobretudo defensiva. O objectivo principal "é a atenuação da insegurança subjectiva e a redução da ocorrência de ilícitos". A educação fica prejudicada também devido ao facto dos técnicos mais especializados estarem "assoberbados com trabalho administrativo", ficando os jovens entregues a maior parte do tempo aos monitores - menos especializados, apesar da longa experiência que alguns já têm. A lei que criou estes centros para jovens delinquentes entre os 12 e os 16 anos (podendo o internamento ir até aos 21) define como prioridade educação para o Direito. Mas em lado nenhum se define o que isso seja. Esta indefinição, segundo o professor do Porto, tem um resultado os centros cumprem bem a sua função de acolhimento, na medida, em que proporcionam condições de alimentação, higiene e saúde muito boas, mas falha na reinserção.

Os jovens saem dos centros e regressam ao seu meio mantendo a mesma falta de noções éticas e com a mesma dificuldade em distinguir o bem do mal ou perceber o que isso significa. O Instituto de Reinserção Social, de que dependem os centros, não tem dados estatísticos sobre as reincidências, mas é comum ouvir os técnicos desta área afirmar que os jovens saem dos centros e pouco depois, atingida a idade permitida por lei, entram nos estabelecimentos prisionais. Para Tiago Neves era fundamental "treinar competências de mediação e resolução alternativa de conflitos com estes jovens". O professor constatou que quando algum deles discorda de alguma coisa "sai de cena ou então torna-se agressivo". Nenhum trabalho de mediação é feito para que compreenda por que não tem razão. Também não há suficiente trabalho de desenvolvimento moral. Não basta dizer-lhes que roubar "é feio". "Este tipo de oposição não é suficiente para formar um sujeito", diz.

Era necessário igualmente que os técnicos mais especializados, como sociólogos, psicólogos, etc., passassem mais tempo com os jovens e que os monitores tivessem uma formação mais específica.

Concordo sobretudo com este último excerto. No que concerne à reeducação e reinserção social revelam-se de grande importância os sociólogos, os psicólogos e eu diria mais: os educadores sociais. Mas infelizmente, o que assistimos é sobretudo a pessoas de Direito nestas áreas da delinquência juvenil e mesmo da investigação criminal. Pessoas que percebem das Leis mas pouco ou nada sabem sobre (re)educação e (re)inserção social, pessoas que não sabem como apostar e ensinar a prevenção. Prevenção, reeducação e reinserção são, mais do que palavras, atitudes fundamentais. Nos Institutos de Reinserção Social e noutras instituições deste âmbito, na investigação criminal, urge apostar mais em sociólogos e psicólogos. A delinquência não deriva de leis, deriva sim de comportamentos desviantes, quebra de regras e normas e ninguém melhor que os sociólogos para isto. Os psicólogos também se revelam de grande importância no que à personalidade de cada indivíduo diz respeito. E depois há outro tipo de profissionais que estou em crer que pouco recorrem e que a mim me parecem de importância crucial: os educadores sociais. Ninguém melhor que eles para trabalhar a reeducação de jovens delinquentes e também para trabalharem na área da prevenção de comportamentos desviantes.
Ainda um dia destes falava com o meu tio-avô (ex-inspector da Polícia Judiciária) sobre investigação criminal e ele próprio me dizia que os técnicos de Direito eram os menos preparados para muitos dos trabalhos de investigação criminal, porque são pessoas que pouco sabem de trabalho de campo. Sabem das leis, e pronto.

Continuo a achar que para tudo o mais importante é a prevenção!

Os 3 Grandes!

O meu amigo Morgado no seu blogue fala que no futebol não há 3 grandes, mas sim 2 grandinhos e um gigante. Anda enganadito o meu amigo Morgado!

Eu acho que isto dos 3 Grandes é subjectivo, cada um tem os seus!
Para mim, os 3 Grandes, Enormes, Gigantes são:
- Desportivo das Aves
- SL Benfica
- Vitória de Guimarães

18 dezembro 2007

A Aquisição da Nacionalidade

A aquisição da nacionalidade portuguesa tem aumentado dada a facilidade com que esta tem vindo a tornar-se possível. Ainda ontem foi noticiada a chegada de imigrantes clandestinos marroquinos na costa algarvia. Legal ou ilegalmente, um surto enorme de imigrantes tem chegado ao nosso país. Outrora país de emigração, nos últimos anos Portugal têm sido, sobretudo, um país de imigração.


Como conseguir a nacionalidade portuguesa?

Por Efeito da Vontade: Filhos menores, ou incapazes, de pai ou mãe que adquira a nacionalidade portuguesa; Em caso de casamento ou de união de facto, judicialmente reconhecida, com um nacional português;

Por Adopção: O menor estrangeiro adoptado plenamente por um cidadão português;

Pela Naturalização: Estrangeiro residente legal há 6 anos; Menor nascido em Portugal, caso aqui tenha concluído o 1.º ciclo do ensino básico ou um dos progenitores aqui resida legalmente há 5 anos; Em caso de perda da nacionalidade portuguesa e desde que se verifique que não foi adquirida outra nacionalidade; Nascido no estrangeiro com um ascendente do 2.º grau que não tenha perdido a nacionalidade portuguesa; Nascido em Portugal e que se encontre ilegal desde que aqui tenha permanecido nos 10 anos imediatamente anteriores ao pedido; Em casos especiais: já foram detentores da nacionalidade portuguesa; havidos como descendentes de portugueses ou membros de comunidades de ascendência portuguesa; por prestação de serviços relevantes ao Estado Português ou à comunidade nacional.

Fonte: SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras)

16 dezembro 2007

A Participação nas Assembleias de Freguesia

É com assiduidade que vou assistir às Assembleias de Freguesia de Vila das Aves e me deparo com uma triste realidade: a quase ausência de jovens e mulheres.
As Assembleias de Freguesia, embora umas mais participadas que outras, considero que até têm um número relevante de pessoas. Todavia, o público é constituído maioritariamente por homens de 3ª idade ou lá perto. Não que haja qualquer tipo de inconveniente nisto, bem pelo contrário, é extremamente positivo que pessoas desta franja etária ainda se interessem pela política local. Contudo, urge apelar ao interesse de mais jovens para a política local. Além de mim, talvez mais um jovem ou outro se encontrasse entre a assistência. A política não é so feita pelos que agora estão no poder, a política presente e futura passa pelos jovens. O que fazer para motivar os jovens para a política? Vila das Aves conta com muitos jovens na sua população habitante, onde estão eles e porque não se interessam e motivam por uma participação mais activa nos destinos da nossa vila?
Escasso é também o número de mulheres em participação na Asssembleia de Freguesia. Embora variando de Assembleia para Assembleia, ainda ontem, além da D. Margarida funcionária da Junta de Freguesia, encontrava-se somente eu e uma outra senhora. É deveras lamentável que as mulheres não despertem interesse a participar mais interessadamente na política local. Quando estamos perto de novas eleições em que com as novas regras será necessário a inclusão de mais mulheres nos cargos políticos, onde páram elas?


Seria pertinente dizer aqui que, na Assembleia de Freguesia, foi referida pelo Sr. Presidente da Junta a fonte da Praceta das Fontaínhas cujo estado eu havia aqui denunciado. Tal como eu pensava o seu estado e cuidado pertence à Câmara Municipal.


Nota: A Junta de Freguesia está a recolher roupas e brinquedos usados para distribuir por pessoas e famílias carenciadas. A quem esteja interessado em ajudar é favor dirigir-se à Junta de Freguesia e entregar. Se não tiverem transporte próprio para a deslocação do material podem solicitar na respectiva Secretaria da Junta transporte que passe por vossas casas.

14 dezembro 2007

Ainda sobre o Crime

Excelentes textos sobre o crime publicados pelo Francisco Sousa no seu blogue CyberCultura e Democracia Online:

- Notas sobre Criminologia
- Teoria Política do Crime

Recomendo vivamente a sua leitura!

[saudades]




Para não dizerem que as "Jotas" não fazem nada...

[...]

O que há em mim é sobretudo cansaço -
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada -
Cansaço assim mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas -
Essas e o que falta nelas eternamente -,
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo ou nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah! com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos

13 dezembro 2007

O Crime como Fenómeno Urbano

Os recentes casos de crime no Grande Porto que aqui denunciei levaram-me a pensar nas teorias da Escola de Chigaco no que respeita ao crime. Até que ponto a percepção do meio urbano por parte dos teóricos da Escola de Chicago se enquadra nos tipos de crime do Porto em particular, e dos meios urbanos de um modo geral?
- O crescimento económico e pressão demográfica presentes nos grandes núcleos urbanos;
- A constante vaga de imigrantes que põe em contacto pessoas com modos de vida diferentes;
- A complexidade dos processos de mobilidade e estratificação social nas cidades que põe em contacto indivíduos de diferentes estratos sociais e não estando a mobilidade social ao alcance de todos os indivíduos, ou seja, desigualdade de oportunidades;
- A diversidade de culturas;
- A predominância das relações sociais secundárias em deterimento das relações sociais primárias, que leva a uma quebra da solidariedade e coesão social.

Para Robert Park o comportamento humano é modelado pelas condições presentes no meio físico e social. O crime não é algo determinado pelas pessoas, mas determinado pelo grupo e meio envolvente.

Segundo Ernest Burgess o crime e o desvio resultam, sobretudo, da expansão e diferenciação dos processos de socialização dos indivíduos e grupos que habitam a cidade, causadas por via da pressão da mobilidade social.

Louis Wirth parece-me apresentar mais aspectos condicentes com o que se tem passado no Porto: contactos humanos superficiais e efémeros; indivíduos com personalidades frias, anónimas e calculistas; a competição e concorrência geradoras de diferenciação social; a mobilidade crescente que fragiliza a função controladora das regras, normas e mesmo dos valores. Diz Wirth que a cidade apenas consegue integrar e controlar uma pequena parte dos indivíduos.

Pode deduzir-se facilmente que o quadro organizacional, chamado para essas funções altamente diferenciadas, não assegura por si só a coerência e a integridade das personalidades que ele tem por função controlar. Pode esperar-se nestas condições, que a desorganização da personalidade, a depressão mental, o suicídio, a delinquência, o crime, a corrupção e a desordem sejam mais expressivas na cidade que na comunidade rural.
Louis Wirth

Tratado Europeu assinado hoje

O Primeiro-Ministro português e também Presidente da União Europeia, José Sócrates, acredita que a assinatura de hoje do Tratado de Lisboa ficará para a história como algo "em que se abriram novos caminhos de esperança no ideal europeu".

Por seu turno, o Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, considera que a assinatura do Tratado vem marcar o "nascimento de uma nova Europa" alargada a 27 Estados e pronta para enfrentar os desafios da globalização.

O Presidente do Parlamento Europeu, Hans Gert-Pöttering considera ser "um maravilhoso presente para a União Europeia", 50 anos depois do Tratado de Roma.


Agora compete aos Estados-Membros a ratificação do documento por via parlamentar ou por referendo. A data prevista para entrar em vigor é 1 de Janeiro de 2009.

Teatro Aviscena estreia "O Incorruptível"

No próximo Sábado, dia 15 de Dezembro, o grupo de teatro de Vila das Aves apresenta a peça O Incorruptível. A peça terá lugar no Centro Cultural de Vila das Aves pelas 21:30h. A entrada é livre.

Com texto do dramaturgo Hélder Costa e encenação de Ismael Silva, "O Incorruptível" é "uma farsa sobre o passado, o presente e futuro do quotidiano da classe política", através da história de um político que não consegue ser corrompido.
De acordo com a sinopse do espectáculo, "O Incorruptível" dá-nos a conhecer "as aspirações frustradas e as dificuldades que um político encontra" pois não "consegue singrar na carreira" pelo facto de "não conseguir ser corrompido". A isto, juntam-se ainda "os problemas com a esposa que pretende sempre mais" e a "subserviência ao presidente do partido".
Os meandros da política são, deste modo, apresentados de "uma forma exgeradamente satirizada" fazendo da peça "O Incorruptível" "um espectáculo para entreter e reflectir".

Fonte: EntreMargens


Inicialmente designado por Avicena, o grupo de teatro teve a sua génese na Escola Básica do 2º e 3º Ciclo de Vila das Aves, por iniciativa dos alunos do 9º ano que levaram a cabo a apresentação do "Auto da Barca do Inferno". O sucesso deste primeiro espectáculo, dentro e fora do meio escolar, constituiu a rampa de lançamento do Aviscena que se constituiu como associação em 2001. [EntreMargens]
Poderei dizer mais concretamente que foram os alunos da turma do 9º D os pioneiros, essa magnífica turma...A MINHA TURMA! Juntamente com a professora de Português e nossa Directora de Turma, Paula Costa (uma professora e amiga excepcional connosco) alunos da minha turma e de outra turma do 9ª ano (que já não me recordo qual) levaram a cabo a representação da peça "Auto da Barca do Inferno" de Gil Vicente, texto dramático que estudamos no 9º ano.
Foi uma representação de enorme sucesso, ainda me recordo do auditório do Patronato da Paróquia de Vila das Aves estar praticamente cheio a assistir a esta peça que foi uma êxito!
Um dos nossos colegas ainda lá continua, o Jorge Costa. Sempre teve muitíssimo jeito para a representação o Jorge. Parabéns Jorge e continua!

Fábrica que vira Galeria de Arte

Até ao próximo sábado, uma antiga fábrica na zona de Couros, em Guimarães, funciona como galeria de arte. Trata-se de um novo projecto do Laboratório das Artes, uma associação de jovens artistas com sede em Guimarães...

O novo projecto, num complexo de fábricas de curtumes, ao lado do Centro Cultural de Vila Flor, visa abrir espaço para novos público na área da arte contemporânea, com muito espaço para experimentalismo.

O nome não podia ser outro, olhando-se para o cenário que, à parte a linguagem artística, abre caminho a divagações sociológicas em torno da decadência de uma certa indústria de Guimarães. Ainda por lá estão os restos - os armários (e alguns integram as instalações artísticas), o elevador sem elevador, os buracos no tecto (são reais, não obras de arte) e outros.

O "Projecto Fábrica" inclui, até Dezembro, conferências, tertúlias, música, exposições, entre outras expressões artísticas que pretendem dar vida a um espaço histórico da cidade. "Pretende-se que neste espaço os artistas possam apresentar novos tipos de linguagens, cruzando várias disciplinas tais como as artes visuais, performance e instalação", salienta o Laboratório.

Ler mais aqui.

E porque não Vila das Aves seguir este exemplo? Com a quantidade de fábricas fechadas e abandonadas que temos, reabilitadas poderiam dar um proveitoso uso para várias funções.
Temos grandes infra-estruturas abandonadas que dá pena olhar, como sejam a Fábrica da Fiatece e a Fábrica de Fiação e Tecidos do Rio Vizela. Ainda esta semana falava da primeira com uma senhora que mora perto da mesma e me contava o estado de degradação para que caminhava. Eu dizia-lhe que era pena, poderia-se proceder a uma reabilitação da mesma e dar-lhe um novo uso, porque não uma pequena empresa minimamente lucrativa.
A fábrica do Rio Vizela também tem caído num estado de degradação constante. Inserida num terreno enorme, com algum espaço de jardim, poderia ser bem aproveitada.

Ideias (e investidores) precisam-se!

Ainda sobre a Cimeira UE - África

Felizmente para nós os líderes africanos cresceram! Ou pelo menos alguns deles! Ou se calhar só mesmo uns dois ou três. Mas mesmo assim quero-me referir aqui a esses homens visionário... que se apareceberam que a História se re-escreve a cada dia... a história passada está lá atrás... o que interessa agora... o que interessou neste fim-de-semana foi essa história como movimento social, económico,político e até cultural.... Essa "história movimento".

Outros líderes africanos continuam parados naquela "história passado". Pararam no tempo e continuam a achar que a UE representa os interesses das potências colonizadoras... esquecendo que essas potências colonizadoras se tornaram ex-colonizadoras há pelo menos trinta anos... E para vergonha da nossa história patriótica, Portugal foi o último país a abrir mão do "seu" mundo ultramarino!

Nesse mundo milhões vivem ostracizados por governos despóticos. Por governos que violam a cada dia e com mais veemência os Direitos Humanos. Estes e muitos outros factos estão certos e preocupam-nos. No entanto, a "história passado" mostra-nos que não há nenhum "bom" cavaleiro andante capaz de do dia para a noite transformar governos despóticos, nepóticos em governos democráticos [como os nossos amigos americanos fizeram crer ao mundo quando invadiraram o Afeganistão e depois o Iraque]... Essa mundaça tem de partir de baixo, tem de partir de dentro.

Deixemos África entregue aos africanos - sem paternalismos! Que mostraram nesta cimeira - salvo raras excepções - que são capazes de levar o continente para a frente. Para isso a UE [e o mundo ocidental] tem de perceber que o "mundo africano" não é o "mundo ocidental", África é um outro mundo que funciona com o seu próprio ritmo! Ritmo esse que lhes permite tomar más decisões é certo [mas a UE também cresceu a errar!], mas outras boas e importantes decisões. Entre estas destaca-se o não redondinho que o líder senegalês deu à UE [personificando ele a voz da maioria dos governos africanos] em relação aos APE... O actual sistema de acordos bilaterais não funciona, mas África tem uma palavra a dizer sobre esses acordos... Não pretende levar nenhuma lição desses sabedores senhores que, conjuntamente, com a OMC desenharam e projectaram os ditos acordos sem ter perguntando à UA o que pensava sobre o assunto.

Bárbara Cunha, em Por um Mundo Melhor

12 dezembro 2007

Maddie, um problema sociológico???

Hoje fui a Braga fazer mais uma visitinha para matar saudades da cidade que me acolheu durante quase cinco anos.
Como seria de esperar fui conhecer a tão falada Fnac de Braga. Para quem ainda não foi aviso que não é assim tão fenomenal como fazem crer. É como as outras, ponto.
Bem, mas isto para dizer que me deparei com algo que deixou estupefacta a mim e a uma minha amiga também socióloga. Como é nosso vício lá nos deslocamos directas à secção de Sociologia quando nos deparamos com o seguinte livro em grande destaque:

E nós interrogamo-nos, perplexas, o que estaria este livro a fazer a li. Não tem o mínimo de nexo. Quem terá feito aquela atribuição? É certo que não conhecemos o conteúdo do livro. Todavia, o caso Maddie não pode ainda ser considerado um problema social, muito menos será um problema sociológico. Não nos parece que o possamos ligar à Sociologia. Talvez nós estejamos enganadas.....

Até os Comemos, Carago!

Infeliz sorte a nossa, a V Eliminatória da Taça de Portugal ditou que o Desportivo das Aves terá de se deslocar ao Dragão para enfrentar o FC Porto. Quando soube disse: "Já fomos...já fomos..."

Mas surpresas acontecem, e mesmo o Aves estando a atravessar um mau momento no Campeonato, nada o impede de ir ganhar ao Dragão!



ATÉ OS COMEMOS!


11 dezembro 2007

Já Temos Reforços!

O Desportivo das Aves garantiu o empréstimo de três jovens do plantel do Benfica. Yu Dabao, Miguel Vítor e Romeu Ribeiro vão integrar o plantel da equipa da Liga Vitalis em Janeiro, na reabertura de mercado.
A confirmação foi dada pelo presidente do emblema da Vila das Aves, que se mostrou satisfeito com a concretização de um interesse antigo. «Já no início da época tínhamos manifestado a intenção de contar com eles, mas na altura o treinador do Benfica não o permitiu», revelou João Freitas à Agência Lusa.
De acordo com o dirigente, os três jogadores devem estar à disposição do técnico Henrique Nunes a partir de 2 de Janeiro.

Fonte: Mais Futebol

10 dezembro 2007

Violência e Crime no Porto

Nos últimos meses já se contam em seis os assassínios no Grande Porto, nomeadamente a empresários da noite. O Porto está perigoso e violento.
No passado Domingo, em Vila Nova de Gaia ocorreu mais um crime deste tipo vindo o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Gaia acusar o Governo pelo número excessivo de crimes que têm ocorrido nestas cidades denunciando um sinal de fraqueza da autoridade estatal.

O Director Nacional da Polícia Judiciária vem hoje comentar o sucedido anunciando estarem a trabalhar intensamente na área e de que os crimes violentos no Porto vão parar.

O criminologista, Moita Flores, considera que tais crimes já estão a ultrapassar "todos os limites" e apela a uma repressão "muito forte".
Moita Flores defendeu a constituição de equipas mistas da PSP e da Polícia Judiciária (PJ) "para uma acção de repressão muito forte" que ponha termo à sequência de homicídios. "Isto já está a ultrapassar todos os limites", frisou Moita Flores, realçando "o nível de profissionalismo muito elevado" destes homicidas.
O criminalista sublinhou que se está em presença de um tipo de criminalidade "novo" em Portugal. Moita Flores só vê uma ténue analogia destes crimes com os perpetrados pelas FP25 e alguns outros no quadro da exploração e tráfico de mulheres.
Segundo o criminologista, a investigação policial não deve limitar-se à averiguação dos homicídios mas também, e sobretudo, a toda a movimentação das organizações criminosas que os suportam.
Moita Flores recordou declarações proferidas, hoje mesmo, pelo director nacional da PJ, Alípio Ribeiro, que disse esperar a resolução destes casos "para breve".
"Espero bem que sim, mas as detenções têm de ser bem sustentadas em provas", alertou Moita Flores. "É preferível que se demore um pouco mais, mas que se arranje boas provas para, de uma vez por tudo, começar a partir isto", acrescentou o criminalista.

O que é preciso para diminuir o número de crimes deste tipo? Será o que o grande criminalista, Moita Flores, enuncia?
A meu ver, muito mais está em causa...

09 dezembro 2007

A Violência Encoberta nas Escolas

Falo de uma violência muito mais perigosa porque mais subtil, mais pela calada, mais insidiosa.

Uma violência mais "normal".

E não há nada pior do que a normalização, do que a banalização da violência.

Violência é não saberem viver em comunidade, é o safanão, o pontapé e a bofetada como resposta habitual, o palavrão (dos pesados!) como linguagem única, a ameaça constante, o nenhum interesse pelo que se passa dentro da sala, a provocação gratuita ("bata-me, vá lá, não me diga que não é capaz de me bater? Ai que medinho que eu tenho de si!", isto ouvi eu de um aluno quando a pobre da professora apenas lhe perguntou por que tinha chegado tarde.)

Violência é a demissão dos pais do seu papel de educadores - e depois queixam-se nas reuniões de que "os professores não ensinam nada".

Porque, evidentemente, a culpa de tudo é sempre dos professores - que não ensinam, que não trabalham, que não sabem nada, que fazem greves, qualquer dia - querem lá ver? - até fumam!

Os seus filhos são todos uns anjos de asas brancas e uns génios incompreendidos.

Cada vez os pais têm menos tempo para os filhos e, por isso, cada vez mais os filhos são educados pelos colegas e pela televisão (pelos jogos, pelos filmes, etc.). Não têm regras, não conhecem limites, simples palavras como "obrigada", "desculpe", "se faz favor" são-lhes mais estranhas do que um discurso em Chinês - e há quem chame a isto liberdade.

Mas a isto chama-se violência. Aquela que não conta para os estudos "científicos", mas aquela da qual um dia, de repente, rompe a violência a sério.

E então em estilo filme americano.

Com tiros, naifadas e o mais que houver.

Alice Vieira no JN


Muito interessante este texto de Alice Vieira e que retrata o contexto escolar e, não raro, familiar actual.

08 dezembro 2007

Cimeira UE-África: Apelo aos Direitos Humanos


Mais do que ficar pelas ideias seria, todavia, de extrema importância passar aos actos. Toda a gente merece ser respeitada e merece que lhe sejam dadas condições dignas de vida, toda a gente merece usufruir dos Direitos Humanos.
Na abertura desta Cimeira que decorre em Lisboa, o Primeiro-Ministro, José Sócrates, afirmou que esta é uma cimeira "entre iguais". Portanto, respeitemos de igual forma todos os povos.

Um olhar sobre o Douro...

Ribeira - Porto

Um Exemplo de Vida

Chama-se Nuno Meireles, tem 31 anos, reside em Freixo de Cima, Amarante. Sofre de paralisia cerebral e tinha o sonho de, um dia, escrever um livro. Hoje, o sonho tornar-se-á realidade, na Biblioteca Municipal Albano Sardoeira, em Amarante, onde o futuro engenheiro informático apresenta "A vida e eu", o livro escrito ao longo dos últimos 18 meses.

Fê-lo com os pés, num vulgar computador. É assim que ele trabalha e estuda. Com os pés, dado que a paralisia não lhe deixa coordenar os movimentos com as mãos. "É um dom que Deus me deu", sentencia o jovem escritor. Nuno é, hoje, um estudante finalista de Engenharia Informática que no seu percurso escolar "sente pena" daquelas pessoas que, em vez de o tentarem compreender e aceitar, tudo fizeram para o humilhar ou discriminar.

Ler mais em: Jornal de Notícias

Renova ou Não Renova Contrato, Mister Scolari?

Depois de dizer que possivelmente não renovaria contrato após o Euro 2008...


07 dezembro 2007

Telemóveis = Cancro: relação directa?

As radiações das ondas emitidas pelos telemóveis aumentam o risco de cancro das glândulas salivares, segundo um estudo de investigadores israelitas divulgado hoje pela AFP e publicado na edição de Dezembro da American Journal of Epidemiology.

Notícia: O Público

Braga Solidária

Hoje recebi esta informação por e-mail que me parece importante divulgar:

"Venho por este meio informar de que a entidade Atlas, que se situa na Rua Santa Margarida, no edifício do jornal Diário do Minho, 3º andar direito, sala 3, está a oferecer cabazes de Natal para estrangeiros carenciados. Se estás nesta situação ou conheces alguém, transmite esta informação pois há pessoas que estão a precisar desta ajuda.

Basta dirigirem-se lá e inscreverem-se até o dia 13 de Dezembro, e poderão ser seleccionados e receberem um cabaz de Natal em casa."


O Jornal de Notícias de hoje revela: Concelho de Braga é o 4º do país com mais voluntariado

Alain Touraine em Portugal

A Criminologia Científica de Lombroso

Cesare Lombroso tentou relacionar determinadas características físicas à psicopatologia criminal, assim como a tendência inata de indivíduos sociopatas e com comportamento criminal.

"Estigmas físicos" do criminoso nato: forma ou dimensão «anormal» da calota craniana e da face; fartas sobrancelhas; molares proeminentes; orelhas grandes e deformadas; dessimetria corporal; grande envergadura de braços, mãos e pés.

"Estigmas psíquicos" do criminoso nato: sensibilidade a dor diminuida; crueldade, leviandade, aversão ao trabalho, instabilidade, vaidade, tendências a supertições e precocidade sexual; os criminosos formavam um tipo antropológico unitário; o verdadeiro criminoso é nato.


Mudam-se os tempos, mudam-se os criminosos.

Ou será que, as bases de dados genéticos para investigação criminal poderão conduzir a um lombrosionismo do século XXI?

06 dezembro 2007

Benfica apresenta: "Mística"


Base de Dados de ADN (II)

Em Junho eu falava aqui que a proposta do actual Governo para a criação de uma base de dados genéticos de âmbito civil não seria a curto /médio prazo tornada real. A base de ADN seria usada somente para fins do âmbito criminal.

O Jornal de Notícias de 22 de Junho avançava:

O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida admite a criação de uma base de perfis de ADN na área criminal, mas discorda que seja criada outra idêntica para fins de identificação civil. O Conselho considera que «a segurança da vida colectiva pode justificar a criação da base de perfis de ADN para investigação criminal desde que a sua constituição e recolha, manutenção e gestão de dados, estejam sujeitas a princípios rigorosos de transparência e independência.


Hoje leio que foi aprovada em Assembleia de República a criação de base de dados de ADN para fins civis e criminais.

04 dezembro 2007

Temas da Actualidade (V) - A baixa Natalidade em Portugal

A baixa natalidade que se regista em Portugal tem sido um importante alvo dos nossos políticos, nomeadamente do próprio Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. Ontem foi tema central no Prós e Contras que contou como participantes principais o Ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, um demógrafo, Mário Bandeira, a socióloga Anália Torres, e uma deputada do que tem vindo a realizar um estudo na área. De conclusões deste debate ressalvo algumas considerações roubadas ao Francisco no seu blogue CyberCultura e Democracia Online.

A principal questão colocada e que serviu de fio condutor do debate foi a diferença entre os filhos que os casais portugueses têm e aqueles que gostariam de ter. Segundo o ministro, as medidas de incentivo à natalidade, em particular o abono pré-natal e a "cobertura do pré-escolar" até aos 3 anos, devem procurar reduzir este fosso ou este diferencial, de modo a possibilitar aos casais terem efectivamente os filhos que desejam ter. Os outros intervenientes destacaram muitas causas que explicam a baixa natalidade dos portugueses, mas afinal quase todas as razões referidas prendem-se com questões de ordem económica, social ou mesmo de mentalidade e de valores, às quais o Professor de Ginecologia, Agostinho Santos, acrescentou e muito bem o problema preocupante da infertilidade (masculina e feminina) e o facto das mulheres preferirem ter filhos mais tarde, muito após o seu período de elevada fertilidade (27 anos), que agrava a qualidade de vida dos seus filhos, muitas vezes correndo o risco de sofrerem anomalias genéticas, devido à idade tardia das mães.


Parece-me ainda pertinente deixar algumas considerações sobre natalidade e fecundidade.

Natalidade: nascimentos analisados em relação à população total
Fecundidade: nascimentos analisados em relação às mulheres em idade fértil

Taxa bruta de natalidade: número médio de nascimentos por cada ano vivido durante o período de observação pelos indivíduos que constituem a população observada.

TBN= N/P

Taxa global de fecundidade geral: número médio de nados-vivos por mulher em idade fértil numa dada população, num determinado ano.
Taxa global - todas as idades férteis
Fecundidade geral - não distingue o estado civil

TGFG= N/M 15-49

Homenagem a Francisco Sá Carneiro

A evocação de Francisco Sá Carneiro (vítima da queda do avião em que seguia, em Camarate, a 4 de Dezembro de 1980) faz parte da agenda do líder do PSD, Luís Filipe Menezes. Mas, além da romagem ao cemitério, da missão e do colóquio, programados para hoje, que actualidade tem o pensamento do fundador do partido? O JN falou com Pedro Roseta, seguidor e estudioso da vida e obra de Sá Carneiro. Ficou um retrato de um "personalista" que recusou todas as formas de ruptura, preferindo "o caminho reformista para a transformação da sociedade". Um reformismo que se afasta da prática de José Sócrates, no sentido em que seria "mais respeitador das pessoas e das instituições, como a Igreja Católica". Convicto de que o fundador do PSD, que teria 73 anos, já estaria retirado da vida política, "porque ele tinha a ética de saber sair", admite que tivesse chegado a ser presidente da República. APC

Ler mais aqui.

A Linguagem Sociológica

A Sociologia e os Sociólogos orgulham-se de ter uma linguagem muito própria e que encanta muita gente.
Todavia, o devido uso da linguagem sociológica e a sua devida interpretação não está ao alcance de todos. Aliás, creio que só um número resoluto de pessoas é capaz de dela fazer um uso correcto e uma interpretação credível. Penso que nem todos os formados em Sociologia o são capaz de fazer, quanto mais os outros.
À conta disto já me tenho rido na blogosfera com o uso inapropriado de terminologia sociológica, ou seja, referem termos sociólogicos a algo que não se aplica. O que também tem sucedido é uma má interpretação de alguns assuntos que vou escrevendo onde predominam vários termos sociológicos, isto é, termos os quais não são correctamente interpretados pelos leitores.
De facto, a interpretação da terminologia sociológica não está ao alcance de qualquer um e mais vale não sair por aí a fazer falsas interpretações para não caírem no ridículo.

Viva a Sociologia!

Procura-se Sucessor

A Direcção do Aves está, desde a tarde de ontem, à procura de um sucessor para José Gomes, depois de ambas as partes terem rescindido o contrato que as unia. O dia, no entanto, começou como tantos outros, com o ainda técnico da equipa a orientar a sessão matinal, a primeira após a derrota em Vizela. Foi já depois do almoço que a saída de José Gomes ficou acertada em reunião, confirmando um cenário anunciado há algum tempo, dada a cinzenta carreira da equipa na Liga Vitalis, onde ocupa a posição imediatamente acima da linha de água, com nove pontos. Foi essa "frieza dos números" que originou a decisão tomada, como explicou a O JOGO o presidente João Freitas. Todavia, este não poupa nos elogios a José Gomes. "Mais tarde ou mais cedo vai triunfar no futebol português", disse. "Não houve correspondência entre a qualidade do trabalho desenvolvida e os resultados", explica José Gomes, lamentando a "falta de eficácia ofensiva da equipa" e esperando a oportunidade, que não teve, de se despedir do plantel . Vitinha, até agora adjunto, assume o comando técnico provisório.

O Jogo

Maldita dor de cotovelo!

"Há por aí muitas pessoas que falam da Sida, dos cancros... Porque é que não falam da dor da cotovelo? É uma dor muito forte e que ataca muita gente."

Por: Bruno Ribeiro

03 dezembro 2007

VI Congresso Português de Sociologia

VI CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA
Mundos Sociais: saberes e práticas


25 a 28 de Junho de 2008
Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Av. de Berna, 26 C


As pré-inscrições decorrerão entre 4 e 31 de Dezembro de 2007.
Veja todas as informações no sítio da Associação Portuguesa de Sociologia.

01 dezembro 2007

Quem joga melhor nem sempre ganha!

Benfica 0 - 1 Porto

Injustamente, o Benfica perdeu hoje no seu reduto diante do grande rival FC Porto. Nada que nos faça baixar os braços na luta pelo título. No fim do campeonato irão fazer-se as contas.

Como de costume, o meu jogador de futebol preferido (Ricardo Quaresma) marcou ao meu clube, o Benfica.
Será isto um bom presságio?!

Dia Mundial de Luta Contra a SIDA

Sida = Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
  • Doença causada por um vírus, Vírus da Imunodeficiência Humana ( VIH )

Como se transmite o VIH?

  • Contacto directo com o sangue de uma pessoa infectada;
  • Relações sexuais sem protecção ( sem preservativo);
  • Mãe infectada para o filho;
  • Partilha de seringas;

Como evitar ser contaminado pelo VIH?

  • Usar sempre preservativo em todo o tipo de relações sexuais.
  • Usar sempre seringas e agulhas novas.
  • Não partilhe objectos pessoais que possam estar em contacto com o sangue.

A SIDA não se transmite:

  • Aperto de mão
  • Espirro
  • Talheres
  • Picadas de insectos
  • Beijo
  • Abraço
  • Casa-de-banho
  • Roupa


Não existe qualquer risco de contágio no convívio quotidiano com pessoas seropositivas.


Uma pessoa seropositiva não precisa alterar radicalmente o seu estilo de vida pelo facto de estar infectado e, muito menos, não precisa de se isolar dos outros. Antes pelo contrário, o apoio e o carinho da pessoas com quem convive podem tornar-se especialmente importantes nesta fase da vida. O VIH não se transmite através do contacto diário com as outras pessoas.


A SIDA não é uma doença que afecta apenas grupos de risco . Todos somos potenciais alvos de VIH e, por isso mesmo, todos temos o dever de nos envolvermos nesta realidade. É fundamental saber como evitar o contágio.


SIDA é uma realidade que nos toca a todos!

Arquivo do blogue